Voltar ao início do site !Chamar por telefone !Enviar um e-mail !
Acessar o FaceBook da Méritos !

Seminário Internacional Sobre Filosofia e Educação - 1 / 2003 - Passo Fundo

Organizadores: Jaime José Rauber, Edison Alencar Casagrande, Altair Alberto Fávero

Págs.: 76
Edição: 1ª
Formato: 14x21 cm
Idioma: Português
Lançamento: 2003

Livro gratuita:

Clique para ler!

 


 

Apresentação

Jaime José Rauber, Edison Alencar Casagrande, Altair Alberto Fávero
Organizadores

O I Seminário sobre Filosofia e Educação é uma promoção do mestrado em Educação, dos cursos de Filosofia e Pedagogia da Universidade de Passo Fundo, dos grupos de pesquisa (Teoria Crítica e Educação; Dever e Responsabilidade Moral; Ensino de Filosofia; Teoria e Prática Pedagógica; Analfabetismo na Região de Passo Fundo) e do Núcleo de Pesquisas em Filosofia e Educação da UPF.

Fundado em 4 de janeiro de 2002, o Núcleo de Pesquisas em Filosofia e Educação (Nupefe) tem como principal objetivo proporcionar, por meio de diferentes ações, um espaço aberto e permanente de reflexão sobre temas, problemas e perspectivas da educação e da filosofia. Nesse sentido, o Nupefe tem como principal meta ser um espaço para aprofundar e investigar temas e problemas que estão na fronteira entre os saberes filosófico e pedagógico. Superando o meramente formal, aliado ao fato de muitos dos professores do Nupefe atuarem, simultaneamente, nos cursos de Filosofia e Pedagogia, a motivação maior que tem alimentado este esforço interdisciplinar é de ordem intelectual: parte-se da concepção de filosofia como saber prático que tem na pedagogia uma de suas principais formas de concretização e de uma concepção de pedagogia que, embora tenha de buscar fundamentar-se em si mesma, não pode prescindir do confronto permanente com a racionalidade filosófica.

O Nupefe é constituído por vários grupos com seus respectivos projetos e linhas de pesquisa. Cada projeto possui hipóteses, problemas, justificativas e cronogramas de trabalho próprios. Uma de suas características é, portanto, uma certa diversidade de "objetos" de estudo, de procedimentos metodológicos como, também, de enfoques teóricos.

Diante dessa constatação, a primeira exigência que se coloca é a de construir um diálogo interdisciplinar produtivo que seja capaz de provocar o avanço dos projetos específicos. Embora os critérios de tal diálogo devam ser construídos pela própria prática reflexiva dos investigadores, não há dúvida de que um referencial indispensável para isso é a busca pelo entendimento baseada na força do melhor argumento, o qual, por sua vez, deve estar pautado pela pressuposição da inteligibilidade e por idéias de verdade, correção normativa e honestidade intelectual.

A segunda exigência diz respeito à delimitação adequada do eixo temático que possa dar conta da diversidade acima anunciada. Tal delimitação deve ser ampla sem, no entanto, deixar de ser precisa. O eixo temático "Problemas de fronteira entre filosofia e pedagogia" é uma delimitação ampla o suficiente para atender àquela diversidade. Sua precisão deve começar, simultaneamente, pelo esclarecimento problematizador dos conceitos de filosofia e pedagogia e pela identificação das questões que interligam esses dois campos de conhecimento.

De antemão, dois conceitos precisam ser criticados. Por um lado, a idéia de filosofia como constituída somente por puros conceitos que poderiam ter, em certo sentido, um acesso imediato à realidade. Por outro lado, o conceito de pedagogia como ciência que trata somente da investigação empírica das práticas pedagógicas. Disso resultaria uma concepção de filosofia como dona da racionalidade e da pedagogia como fonte exclusiva dos fatos e da prática pedagógica. Na verdade, o que precisa ser evitado é, simultaneamente, um conceito metafísico-clássico de filosofia e um conceito moderno-positivista de pedagogia. Pois, se observarmos bem, são esses dois conceitos que fundamentaram uma relação vertical e improdutiva entre ambas: ou a filosofia dita, de cima para baixo, os fundamentos para a pedagogia, considerando esta um conhecimento inferior; ou a pedagogia ignora ingenuamente a filosofia, considerando esta um saber abstrato sem sentido.

Os dois conceitos são evitados por meio de uma concepção de filosofia como reflexão racional sobre a ação humana em geral e de uma concepção de pedagogia como reflexão sobre a ação humana em seu sentido educacional-formativo. Isso mostra que os conceitos de racionalidade e de ação, em seu sentido eminentemente prático, constituem o ponto de confluência de ambas. A dimensão prática da filosofia e da pedagogia, bem como o elo de ligação entre elas reside, portanto, no conceito de práxis. Por isso, uma recuperação histórica desse conceito nas principais formulações do pensamento moderno é tarefa indispensável. O Nupefe prioriza esse debate nas dimensões da pedagogia e da filosofia.

O I Seminário Internacional sobre Filosofia e Educação tem por objetivo debater o problema da subjetividade como conceito fundante da filosofia moderna e a intersubjetividade como referência de sua crítica. A subjetividade constitui o epicentro de fundamentação tanto da filosofia quanto da pedagogia moderna. Ideais de liberdade, autonomia, autodeterminação e emancipação, que nela se enraízam, estão na base tanto de teorias filosóficas quanto das pedagógicas. Nesses ideais se fundamenta toda a tradição da pedagogia crítica e, com ela, a pedagogia do sujeito autônomo.

O I Seminário objetiva, também, discutir as objeções fundadas nas idéias da autonomia do sujeito e projetar esse debate para a área da pedagogia. O ambiente filosófico contemporâneo volta-se, cada vez mais criticamente, contra a filosofia moderna, objetando-lhe a idéia de que uma fundamentação baseada na estrutura auto-reflexiva do sujeito pensante não consegue dar conta da intersubjetividade. Esse fracasso deve-se ao fato de que, segundo tal objeção, uma fundamentação auto-reflexiva baseia-se, no fim das contas, num modelo solipsista e monológico que transforma a si mesmo e a tudo o que está ao seu redor em objeto. Tal objeção filosófica, caso seja pertinente, tem influência direta no campo pedagógico, sobretudo nas pedagogias atuais de inspiração moderna, isso é, a objeção filosófica pode significar, do ponto de vista teórico, uma invalidação da pedagogia do sujeito autônomo. Será esse, entretanto, o único caminho das discussões filosóficas e pedagógicas? O problema da subjetividade versus intersubjetividade reúne em torno de si, também, assuntos atuais, como multiculturalismo, reconhecimento, sujeito histórico, inclusão/exclusão.

Na trilha desses objetivos foi pensada a ampla programação do seminário, organizada em quatro grandes momentos: a) grandes conferências, onde a subjetividade-intersubjetividade serão debatidas a partir da perspectiva kantina, hegeliana, marxiana e habermasiana; b) mesas de discussão, onde serão debatidos temas ligados às linhas gerais do seminário. Nesse espaço serão homenageados D. José Gomes, Ernani Maria Fiori, Paulo Freire, Mário Osório Marques e Maria Fialho Crusyus; c) sessão especial em homenagem ao centenário do nascimento de Theodor Adorno através da conferência "Civilização ou barbárie"; d) comunicações.

O livro que ora apresentamos contém os resumos das comunicações que foram aprovadas pelo Comitê Científico do evento e que serão proferidas durante o I Seminário Internacional sobre Filosofia e Educação. As linhas temáticas que serviram de orientação para a proposição das comunicações foram as seguintes: a) subjetividade e intersubjetividade no processo pedagógico; b) filosofia e educação: problemas de fronteira; c) práxis pedagógica e formação do professor. A exposição dos resumos que aqui apresentamos foi organizada em ordem alfabética. Acreditamos que poderão servir de cartografia para sistematizar um rico universo de investigação que vem ocorrendo no Brasil, nos cursos de graduação e pós-graduação em filosofia, pedagogia e educação. A todos um bom seminário.

Passo Fundo, inverno de 2003

Sumário

Apresentação / 5

INFÂNCIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA COM ENFOQUE CRÍTICO
Adriana Bragagnolo / 15

A CONSTRUÇÃO DA NOÇÃO DE JUSTIÇA EM PIAGET: A SUBJETIVIDADE NO PROCESSO PEDAGÓGICO
Alcemira Maria Fávero / 15

A FUNÇÃO EDUCATIVA (Bildung) DA SOCIEDADE CIVIL DE HEGEL
Alcione Roberto Roani / 17

VONTADE E AUTONOMIA EM IMMANUEL KANT
Alexandre Mariotto Botton / 17

DA EPISTEMOLOGIA À HERMENÊUTICA: A CRÍTICA DE RORTY À FILOSOFIA DA SUBJETIDADE
Altair Alberto Fávero / 18

INDISCIPLINA NA SALA DE AULA: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO PELO PROFESSOR
Andrei Luiz Lodéa, Luis Mazzochini / 19

A FORMAÇÃO CONTINUADA DO EDUCADOR: A QUEM CABE ESTA TAREFA?
Angelita Hentges Sehn / 19

ESCLARECIMENTO, AUTONOMIA E EDUCAÇÃO MORAL EM KANT
Angelo Vitório Cenci / 20

A MORAL LIBERAL COMO UM PROCESSO EDUCATIVO NO PENSAMENTO POLÍTICO DE JONH LOCKE
Ascísio dos Reis Pereira / 21

ARTE E EXPRESSIVIDADE NO PROCESSO PEDAGÓGICO
Carmen Maria Werlang, Graciela Ormezzano / 21

REPENSANDO O SENTIDO DA FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO COM HABERMAS E RORTY
Catia Piccolo Viero, Elaine Conte / 22

A IMPORTÂNCIA DO RACIOCÍNIO LÓGICO NO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO SEGUNDO LIPMAN
Cheila Mara Battistella Boni / 23

AS RELAÇÕES ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO ESTÉTICA E ENSINO DE FILOSOFIA: A REFLEXÃO COMO CONCEITO ARTICULADOR
Clarisse I. Giacobbo / 24

UMA RECEITA PARA ENSINAR ?!
Claudia Mara Sganzerla / 25

ÉTICA, EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO
Cláudio Almir Dalbosco / 26

SUBJETIVIDADE E INTERSUBJETIVIDADE: ENTRELAÇAMENTO ENTRE VIDA E OBRA DE NÍSIA FLORESTA NA CRÍTICA
EDUCACIONAL
Cleide Rita Silvério de Almeida, Elaine Teresinha Dal Mas Dias / 27

UMA LEITURA HABERMASIANA DO DESENVOLVIMENTO DA CONSCIÊNCIA MORAL DE KOHLBERG
Clodomiro José Bannwart Júnior / 28

A SUBJETIVIDADE DA RELAÇÃO OPRESSOR E OPRIMIDO NO PROCESSO PEDAGÓGICO À LUZ DE P. BOURDIEU
Creuza Maria Fleck / 28

RESSIGNIFICANDO A HERMENÊUTICA NO CAMPO DO SABER EDUCACIONAL
Cristiane Ludwig, Elaine Conte / 29

EDUCAÇÃO POPULAR E CONSELHOS GESTORES: A CONSTRUÇÃO DA ESFERA PÚBLICA ATRAVÉS DO CONTROLE SOCIAL SOBRE O ESTADO
Cristina Fioreze, Volmir Brutscher / 30

KANT E HABERMAS: EM BUSCA DA ESPECIFICIDADE DA FILOSOFIA
Edison Alencar Casagranda / 31

FILOSOFIA POR IMAGENS – SUBJETIVIDADE E INTERSUBJETIVIDADE
Elenir de Fátima Cazzarotto Mousquer / 32

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO: REFLEXÕES SOBRE A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAR NESSA REALIDADE
Eliana da Costa Pereira / 33

INTERSUBJETIVIDADE E EDUCAÇÃO: UMA ABORDAGEM A PARTIR DA FILOSOFIA DE KANT
Elve Miguel Cenci / 34

REFLEXÕES EM TORNO DA FILOSOFIA COMO DISCIPLINA ESPECÍFICA DO CURRÍCULO
Ester Maria Dreher Heuser / 34

ATITUDES REFLEXIVAS EM RELAÇÃO AO ENSINO
Fernanda Eloisa Damiani / 35

O FRACASSO DA RAZÃO TÉCNICA E O SURGIMENTO DO HUMANO: O CASO DO SUBLIME NA FILOSOFIA DE KANT
Gerson Luís Trombetta / 36

FILOSOFIA E PEDAGOGIA: UMA RELAÇÃO PENSADA A PARTIR DE SEUS CONCEITOS
Gilvane Kern / 37

DA IDENTIDADE À INTERSUBJETIVIDADE ÉTICA! ENSAIO SOBRE UM SENTIDO ÉTICO-PEDAGÓGICO À EDUCAÇÃO
Giovana Dalmás / 38

O EU PURO COMO A ESTRUTURA DO APARECER COM SENTIDO EM HUSSERL
Gládis Maria Rauber / 39

SUBJETIVIDADE E EDUCAÇÃO: SIGNIFICAÇÕES DE AUTO-RETRATOS A PARTIR DE IMAGENS DE PICASSO
Graciela Ormezzano, Leonice Maria Vivian Araldi / 39

DESCARTES: UM DOS FUNDAMENTADORES DA PEDAGOGIA BURGUESA
Hugo Antonio Fontana / 40

TEORIA DO DISCURSO E EDUCAÇÃO
Inês Lacerda Araújo / 41

KANT E O PROBLEMA DA INCONDICIONALIDADE DO DEVER
Jaime José Rauber / 42

CAMINHOS DA FILOSOFIA E DA EPISTEMOLOGIA NA CONSTRUÇÃO DE UMA IDENTIDADE PARA A EDUCAÇÃO
Karina Nones Tomelin / 43

A CONDIÇÃO DIALÓGICA DA VIDA HUMANA SEGUNDO MARTIN BUBER - UMA FILOSOFIA DO ENCONTRO
Lara Sayão Lobato de Andrade Ferraz / 43

AS NOÇÕES DA SUBJETIVIDADE E INTERSUBJETIVIDADE EM MATTHEW LIPMAN
Leoni Maria Padilha Henning / 44

AS REPRESENTAÇÕES E A FORMAÇÃO ACADÊMICA DOS PSICÓLOGOS
Leonor de Oliveira Abreu / 45

A CONSTITUIÇÃO DA SUBJETIVIDADE EM MICHEL FOUCAULT
Ligia Quevedo / 46

EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO
Lisete Jaehn Baldissera / 47

O CONTRATO PEDAGÓGICO EM ROUSSEAU: ESPAÇO DA SUBJETIVIDADE E DA INTERSUBJETIVIDADE NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DO HOMEM
Manoel Dionizio Neto / 49

MORALIDADE PODE OU PRECISA SER ENSINADA? UM ENSAIO SOBRE A FILOSOFIA PRÁTICA KANTIANA
Márcio Paulo Cenci / 50

A TESE DA AÇÃO HUMANA EM ARISTÓTELES E A SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EDUCAÇÃO (PEDAGOGIA)
Marcio Renan Hamel / 51

CRISE DA MODERNIDADE CULTURAL E CRÍTICA AO SUJEITO COMO FUNDAMENTO
Marcio Soares / 52

UM ENSAIO COM FILOSOFIA NO CURSO FORMAÇÃO DO EDUCADOR, EM MATO GROSSO
Maria da Anunciação Pinheiro Barros Neta / 53

O PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA E A METODOLOGIA DIALÉTICA: TRAÇANDO CAMINHOS
Maria Helena Weschenfelder, José Jackson Reis dos Santos, Lorita Oliveira / 54

VIOLÊNCIA E PRODUÇÃO POÉTICA: ESPAÇOS DE CONSTRUÇÕES SIMBÓLICAS
Maria Lêda Lóss dos Santos / 55

EDUCAÇÃO SEXUAL NA ESCOLA: PROPOSTAS E DESAFIOS
Miriam Mattos / 55

O CRITÉRIO DA MAIORIA – LIMITES E CONSEQÜÊNCIAS
Neuro José Zambam, Ricardo Rodrigues / 56

FORMAÇÃO CONTINUADA E PRODUÇÃO DE CONHECIMENTOS: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA
Neusa Andreolla, Adriana Dickel / 57

RACIONALIDADE, INTERSUBJETIVIDADE E PRÁXIS PEDAGÓGICA: PARA UMA CRÍTICA DA CONCEPÇÃO DA AGÊNCIA REFLEXIVA DE JÜRGEN HABERMAS
Ralph Ings Bannell / 58

O "DESENVOLVIMENTO MORAL" NA TEORIA DE JEAN PIAGET: A FILOSOFIA COMO "FERRAMENTA" PARA A RECONSTRUÇÃO DA MORAL
Rejane Strello / 59

O PAPEL DA FILOSOFIA NA EDUCAÇÃO COMO RECONSTITUIÇÃO DO HUMANO: REFLEXÕES EM LÉVINAS
Ricardo Antonio Rodrigues, Neuro José Zambam / 60
Educação prática e intersubjetividade em Kant
Robinson dos Santos / 61

DA ONTOLOGIA DA LINGUAGEM À TEORIA DA INTERSUBJETIVIDADE: PARA ALÉM DA MODERNIDADE
Rogério José Schuck / 62

CONTRADIÇÕES E DESAFIOS NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR
Rosane Rigo De Marco / 63

O TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA MARXISTA DA EDUCAÇÃO
Rosângela Gonçalves Padilha Coelho da Cruz / 64

CONSIDERAÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DO ALUNO SURDO NO ENSINO REGULAR
Roseléia Schneider / 64

FILOSOFIA E PEDAGOGIA: UM DIÁLOGO NECESSÁRIO. CONTRIBUIÇÕES KANTIANAS E HABERMASIANAS PARA A FORMAÇÃO DOS EDUCADORES
Rozélia Vasques Ortiz / 65

EDUCAÇÃO E PEDAGOGIA VERSUS EMANCIPAÇÃO
Sergio Jabelufa / 66

SABER DOCENTE, RACIONALIDADE E EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS PARADIGMAS DO CONHECIMENTO
Sidinei Pithan da Silva / 67

A INTERSUBJETIVIDADE DA CONCEPÇÃO DE SAGRADO NO ENSINO FUNDAMENTAL NA ESCOLA PÚBLICA
Simone Fusinato Rezende / 68

ANALFABETISMO E EXCLUSÃO SOCIAL: URGÊNCIA DE AÇÕES POLÍTICO-EDUCACIONAIS NO CENTRO-NORTE DO RIO GRANDE DO SUL
Solange Maria Longhi, Selina Maria Dal Moro / 69

IDENTIDADE, DIFERENÇA E DEFICIÊNCIA: REFLEXÕES SOBRE INFÂNCIA E SURDEZ
Sussi Abel Menine Guedes, Tatiana Bolivar Lebedeff, Giovana Aparecida de Assis / 70

MULTICULTURALISMO E INTERCULTURA: ALGUMAS REFLEXÕES
Telmo Marcon / 71

APONTAMENTOS SOBRE A COMUNICAÇÃO NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA LEITURA A PARTIR DE PIERRE BOURDIEU
Valdocir Antonio Esquinsani / 72

EXPERIÊNCIA E PENSAMENTO NO SENTIDO DO SALTO: UMA ANÁLISE DA TRANSVALORAÇÃO EM NIETZSCHE E LARROSA E SUA DECORRÊNCIA PARA A EDUCAÇÃO
Vilmar Alves Pereira / 73

FILOSOFIA E EDUCAÇÃO: O PONTO DE VISTA NEOPRAGMÁTICO DE RICHARD RORTY
Vitor Hugo Mendes / 74

ESCOLA MODERNA: UMA (RE)INVENÇÃO PRODUTIVA
Viviane Klaus / 74

RESSIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO NA ÁREA DE PRÁTICAS DE ENSINO E ESTÁGIOS
Zelir Salete Lago Busato / 75

 
 

 

   
   
      


Aceitamos cartões de crédito:


(55) 54-3313-7317
E-mail: sac@meritos.com.br

© Livraria e Editora Méritos Ltda.

Rua do Retiro, 846 - CEP 99074-260
Passo Fundo - RS - Brasil


FRETE GRÁTIS PARA TODO O BRASIL

Tecnologia e proteção de dados:
PAYPAL - eBay Inc.
PAGSEGURO - Universo Online S/A